Blog

Oferta de novos alimentos – uma conquista diária

O texto deste mês, na verdade, será composto por três perguntinhas recorrentes na Alimentação Infantil quando o assunto é oferecer novos alimentos.  O intuito das respostas não é um caminho a ser traçado à risca, pois cada criança é única. Mas são pequenas dicas de como convencer seu pequeno a experimentar novos sabores, texturas e formas.

– Como devo agir quando meu filho se recusa a comer o que foi preparado para o almoço ou jantar?
É muito importante que os pais fiquem firmes com a criança e sempre exponham a ela os motivos pelos quais ela deve comer o que eles estão indicando. Ainda mais se ela pede no lugar algum alimento que não fará bem a ela, como trocar a refeição toda por um copo de leite ou um lanche fast food. Os pais não devem ameaçar as crianças, forçar a comer, e sim mostrar cada alimento, seu nome, de onde vem, a importância de se alimentar bem. Apresentar pratinhos decorados e bem arrumadinhos também é uma forma de atrair os pequenos para a novidade. Caso ela não aceite, deixe sua refeição guardada e quando a criança estiver com fome, ofereça novamente.

– Quantas vezes você incentiva seu filho a experimentar um novo alimento?
De acordo com os especialistas, as crianças (e os adultos também!) precisam provar várias vezes um alimento antes de dizer que não gostam dele. O ideal é fazer isso desde cedo, evitando comidas e bebidas mais industrializadas, onde os corantes, conservantes, açúcares e excesso de sal prejudicam o paladar. Quando os pais só comem e só oferecem para os filhos os sabores salgado e doce, o azedo e o amargo ficam discriminados e a criança se condiciona a não gostar deles. Por isso, é saudável oferecer itens como chocolate amargo, limonada não adoçada, entre outros. Como a criança não vai querer fazer isso de livre e espontânea vontade é preciso que os pais sejam criativos e mudem as formas de preparação e apresentação do alimento. Colocar um espetinho colorido e divertido de frutas, uma verdurinha picadinha no arroz, um legume picadinho no macarrão, suco misto de limão com laranja lima, são formas simples de mudar a apresentação do alimento e incentivar seu consumo. Se a criança não foi acostumada desde cedo, é preciso ter paciência, pois ela realmente demorará um tempo para se adaptar aos novos sabores.

– Negociar é uma boa estratégia para a criança comer melhor?

Barganhar muitas vezes é uma atitude eficaz, mas nem sempre é a melhor forma de educar uma criança. Ao negociar o consumo de vegetais no almoço por uma bela sobremesa, por exemplo, você não ensina o principal, ou seja, a necessidade de saúde na refeição, só faz uma troca sem dar a maturidade pra criança entender o motivo disso. Ou seja, a criança só fará a ação em busca de um ganho, e não porque é o certo. Como mencionado anteriormente, pratinhos atrativos, conversa entre pais e filhos sobre alimentação, uma visita a fazendinha (para mostrar a origem do leite, dos ovos, etc), um passeio pela feira para ver as frutas, tocá-las e sentir seu aroma, são formas bem mais interessantes de conquistar as crianças e convencê-los a se alimentar bem.

por Ellen Prata – Nutricionista

Scroll Up