Blog

O Uso de Equipamentos Digitais e o Desenvolvimento Socioemocional da Criança

O uso de equipamentos digitais e o desenvolvimento socioemocional da criança
A discussão sobre os efeitos do uso das novas tecnologias pelas crianças é vasta e complexa, e, há tanto quem ressalte benefícios quanto quem ressalte prejuízos. Entretanto, é fato que a cada dia cresce o número de crianças e adolescentes que são expostos cada vez mais cedo e em demasia, o que parece estar alterando a construção de habilidades importantes no campo das relações humanas.

Um estudo da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, indica que o uso exagerado de equipamentos digitais pode atrapalhar a capacidade das crianças em reconhecer emoções de outras pessoas. Pesquisadores do departamento de psicologia observaram 105 alunos de 11 e 12 anos, divididos em dois grupos, e perceberam que, depois de apenas cinco dias sem acesso às telas de celulares, tablets ou televisores, eles passaram a identificar as emoções muito melhor. No estudo, publicado em 2014 na revista especializada “Computers in Human Behaviour”, os psicólogos afirmam que o efeito da mídia digital pode ser muito mais danoso que se imagina. “Muitos olham para os benefícios da mídia digital na educação, mas não há muitos que estudam o custo disso”, afirmou uma das autoras da pesquisa, Patricia Greenfield. “Sensibilidade reduzida diante de sinais emocionais, ou uma certa perda da capacidade de entender as emoções dos outros, é um deles”, disse. A pesquisadora diz, ainda, que a troca da interação interpessoal pela interação virtual parece estar reduzindo o “traquejo social”.

O norte-americano Jim Taylor, PhD em psicologia, é outro importante estudioso da influência da tecnologia no desenvolvimento infantil. Ele analisou a relação criança x tecnologia e apontou prejuízos causados pelo excesso de uso, alertando que a geração atual de crianças está menos altruísta, ou seja, menos preocupada e disponível em ajudar ou oferecer coisas boas ao próximo. O profissional destaca que as crianças que ficam conectadas por horas no computador, videogame, celular etc., estão deixando de vivenciar outras importantes experiências no campo afetivo e social. “A tecnologia parece estar minando o desenvolvimento das crianças nesses relacionamentos fundamentais nesta fase de vida. Tem havido aumento grande no narcisismo e declínio na empatia entre os jovens. Embora não posamos atribuir uma relação direta com a tecnologia, é nítido que o surgimento de novas mídias e o maior alcance junto à cultura popular trouxeram prejuízos”, relata Jim Taylor.

É importante lembrar que, além da diminuição do contato humano real, a ênfase no uso de equipamentos digitais pode comprometer significativamente o tempo para as brincadeiras criativas, exercícios físicos, contato com a natureza e o necessário descanso mental das crianças. Não se trata de retirar a tecnologia da vida das crianças e jovens, e, tampouco deixar de reconhecer sua importância na atualidade! Trata-se de refletir e dosar com muita cautela a sua introdução e seu uso.

por Gilza Quadros – Psicóloga

Scroll Up